Pesquise
Seleccione os critérios de pesquisa
Seleccione os Filtros
Agenda
THE MELTING POT POURRI
Circo Contemporâneo,Crianças,Atividade com Acesso Privilegiado - AMIGOS
DATA
HORARIO
LOCAL
31 Mai 2018
10:00 - 13:00
Aeroporto do Porto (Hall de Chegadas)
31 Mai 2018
15:00 - 18:00
Aeroporto do Porto (Hall de Chegadas)
02 Jun 2018
12:30 - 17:30
Clareira das Azinheiras
03 Jun 2018
12:30 - 15:00
Clareira das Azinheiras
LOS EXCENTRICOS
Duração: 15 minutos (31 maio/ Aeroporto) ou 60 minutos (2 junho e 3 junho/Clareira das Azinheiras) 
Parceiro: ANA - Aeroportos de Portugal
Intérpretes: Marceline, Sylvestre e Zaza
Texto: Los Excentricos 
Construção do piano: Zaza
Efeitos de palco: Sylvestre e Ventura & Hosta Cartrons
Som e Luz: Alexandre Barthes
Figurinos: Sessé Muñoz
Fotografia: Gabriel Tizón, Sònia Balcells, Silvia Mazzotta, Marina Suleymanova, Marcantonio Marino

The Melting Pot Pourri reúne uma seleção dos melhores sketches da companhia Los Excentricos com as mais recentes criações: uma diva desafinada, um aspirador de pó louco, um homem de três pernas, etc…, acompanhada de música ao vivo com instrumentos extravagantes (concertinas, serras musicais, violino-trompete, luvas-apito, acordeões, vassoura-espanador elétrica….). Ao longo do espetáculo encontramos comédia física, palhaçada, música ao vivo e malabarismo. Eles são autênticos, hilariantes e inconfundíveis.

Imagem (c) Antoine Debroux

LA PARADE MODERNE
Crianças,Performance Deambulatória
DATA
HORARIO
LOCAL
31 Mai 2018
15:00 - 16:00
R. Sta. Catarina
02 Jun 2018
17:30 - 18:00
Alameda dos Liquidâmbares
03 Jun 2018
16:00 - 16:30
Alameda dos Liquidâmbares
Clédat & Petitpierre
31 MAI - Inicia na Capela das Almas e segue pela Rua de Santa Catarina até ao Largo de Santo Ildefonso.
Música: Ensemble de Metais da Academia de Costa Cabral - clarinete - Ana Beatriz Almeida; sax soprano - Nuno Ramos; sax alto - Cláudia Leite; sax tenor - Telma Fontes; sax barítono - Tiago Gomes; trompete - Diogo Moreira; trompa - Samuel Ferreira; trombone - João Gomes; eufónio - Ana Catarina; tuba - Pedro Botelho e caixas - Francisco Fernandes e Jéssica Peixoto
Performers: Balleteatro - Matilde Gandra, Sofia Marques, Maria Rocha, Mariana Lamego, Débora Barreto, Leonor Lopes, Daniela Miranda, Bárbara Leite, Filipa Domingues, Filipe Correia, Filipa Catarino, Hugo Sá Pinto e Tomás Eira

Artistas plásticos e performers, Coco Petitpierre e Yvan Cledat (1966) vivem e trabalham em Drancy (França). Os seus projectos artísticos situam-se entre a escultura e a performance, assumindo formas singulares que oscilam sempre entre duas temporalidades: a permanente e mais associada à exposição e a do evento performativo, onde os corpos dos dois artistas são às vezes colocados em jogo durante a representação da "figura escultórica” e o território escolhido.

A coexistência de objectos escultura e de corpos dissimulados está na génese das suas obras e é este envolvimento que afirma a especificidade do seu trabalho artístico, inscrito no campo da escultura quer se trate de uma exposição, da temporalidade de uma performance ou da duração definida de um espectáculo no espaço teatral.

Projetado sobre o modo de um desfile de carnaval, La Parade Moderne é uma obra escultórica e deambulatória, consistindo em 10 figuras, livremente inspiradas em  obras pintadas de grandes artistas da primeira metade do século XX: Magritte, Ernst, De Chirico, Léger, Munch, Arp, Brauner e Malévitch.

Em La Parade Moderne as figuras são projetadas tridimensionalmente, transfiguradas em esculturas e transportadas num desfile que se assemelha a uma estranha história de arte, exibida ao ar livre.


SURSAUTS
Dança Contemporânea
DATA
HORARIO
LOCAL
31 Mai 2018
15:45 - 16:00
Largo de Sto. Ildefonso
02 Jun 2018
20:00 - 20:20
Hall do Museu
03 Jun 2018
20:00 - 20:20
Hall do Museu
SURSAUTS
Coreografia: Mathilde Monnier e Bertrand Davy (assistente)
Dança i-Fang Lin e os bailarinos Ana Cláudia Fernandes, Ana Barros, Gonçalo Cardoso, Joana Gonçalves, Marta Silva, Rafael Silva e Tomás Queirós (Balleteatro) Afonso
Queirós, Beatriz Baptista, Bernardo Fosquinha, Francisca Alves, Francisca Martins, Gisela Santos, Leonor Barbosa,  Mariana Canadas (Ginasiano) e Catarina Marques (FAICC/ Companhia Instável).
Música: Jorge Coelho
Produção: Vincent Cavaroc e Fanny Herserant - illusion&macadam

Sursauts é uma peça jubilatória na sua forma porque convida um grupo de bailarinos a unir-se num impulso comum que é o salto. A peça foi criada para assinalar os  acontecimentos do Verão de 2003, decorridos em França, que alteraram e valoraram as artes performativas contemporâneas.

A proposta de Sursauts é de que os bailarinos permaneçam juntos para se apoiarem mutuamente neste esforço lúdico e ritmado. O palco vai sendo ocupado progressivamente para depois se ir esvaziando, firmando-se num cerimonial novo e de absoluta comemoração.

Mathilde Monnier é uma referência no panorama da dança contemporânea francesa e internacional. A sua nomeação para a direção do Centro Coreográfico de Montepellier Landguedoc – Roussilon, no ano de 1994, marcou o início de uma série de colaborações com personalidades de diversas áreas artísticas-Jean-Luc Nancy, Katerine, Christine Angot, La Ribot, Heiner Goebbels. Monnier criou mais de 40 obras coreográficas que foram apresentadas em vários eventos de destaque, como o Festival D’Avignon, o Théâtre de la Ville de Paris e também em Nova Iorque, Viena, Berlim e Londres. Recebeu vários prémios, como o Prémio do Ministério da Cultura de França, o Grande Prémio SACD. Em 2013 foi nomeada para a direção geral do Centro Nacional de Dança CND, em Pantin, França.

i-Fang lin nasceu em Taiwan e vive em França desde 89. Dançou com Mathilde Monnier, Christian Rizzo, François Verret, Emmanuelle Huynh, Didier Theron, Patarozzi Jacques, Pierre Droulers, Dominique Figarella, Philippe Katerine, eRikm, Rino-cerose, Louis Sclavis, Fabrice Ramalingom, Anne Collod, Didier Theron e Kosei Yamamoto.Praticante do método Feldenkrais, i-Fang-lin orienta workshops em França e no estrangeiro em  espaços como o CCN Montpellier, Fundação Royaumont, PREAC / workshop  improvisation / choreographic, integrando esta prática na dança. Desde 2010 que acompanha e colabora nas produções dos artistas Nicole Rechain, François & the Atlas Mountain, Didier Galas, André Dussolier e Maguelone Vidal. Nestes contextos, I-Fang lin propõe trabalhar a fisicalidade, baseada na observação e na consciência através do movimento.

Jorge Coelho é um guitarrista portuense que desde 1989 desenvolve uma atividade constante como músico e compositor. Editou mais de duas dezenas de trabalhos, em nome próprio e com diversas formações de que fez ou faz parte (como Cosmic City Blues, Zen, Torto, Estilhaços ou OtrotortO). Compôs música original para diversas curtas e longas metragens e para peças de teatro.

Imagem (c) Marc Coudrais
DE PASO
Circo Contemporâneo,Crianças
DATA
HORARIO
LOCAL
31 Mai 2018
11:30 - 11:45
Marginal de Matosinhos
31 Mai 2018
15:30 - 15:45
Marginal de Matosinhos
31 Mai 2018
16:30 - 16:45
Marginal de Matosinhos
31 Mai 2018
17:30 - 17:45
Marginal de Matosinhos
02 Jun 2018
11:00 - 11:40
Clareira das Bétulas
02 Jun 2018
18:30 - 19:10
Clareira das Bétulas
03 Jun 2018
11:00 - 11:40
Clareira das Bétulas
03 Jun 2018
16:30 - 17:10
Clareira das Bétulas
COMPANHIA INDUSTRIAL TEATRERA 
Direção: Jordi Purtí
Intérpretes: Mamen Olías e Jaume Navarro
Cenografia: Jordà Ferrer
Construção: Taller del Lagarto
Materiais: Mariona Ferrer
Música: Tales Music
Figurinos: Mamen Olías y Mariona Ferrer
Insufláveis: Al Víctor

De Paso é um espetáculo circular, como o mundo e como os ciclos!
Nascemos, encontramos um mundo por descobrir, um mundo para correr e girar. Passa o tempo, os anos e de repente, já não há tempo para jogar. E sopra o vento, o vento da altura, faz cócegas e empurra, leva e trás e com sorte talvez faça dançar e sentir borboletas no estômago… E o mundo segue girando, mesmo que às vezes tentemos pará-lo. Um espetáculo sobre o ciclo da vida em tom "Clown”! 


ZERO EM COMPORTAMENTO: OBRAS DA COLEÇÃO DE SERRALVES
Exposição
DATA
HORARIO
LOCAL
01 a 03 Jun 2018
18:00 - 22:00
Museu de Serralves
A exposição "ZERO EM COMPORTAMENTO” inaugura no primeiro dia do Serralves em Festa, dia 1 de junho, e é uma ótima oportunidade para a ver em primeira mão. A exposição apresenta trabalhos de artistas portugueses e internacionais de diferentes gerações representados na Coleção de Serralves. O título é o mesmo do filme de 1933 do realizador francês Jean Vigo (Paris, França, 1905-1934) em que, num repressor colégio interno, com regras de comportamento muito rígidas, quatro rapazes decidem revoltar-se contra a direção da escola.

Através de uma grande diversidade de suportes (pintura, escultura, fotografia, cartazes, livros de artista, instalação, filme e vídeo), a mostra guia-nos pela iconoclastia, pelo total desrespeito pelas regras do bom gosto, do bom comportamento e do bem feito, pelo ataque a todas as figuras da autoridade que marcaram indelevelmente a arte dos últimos 60 anos.

Entre as estratégias aplicadas por estes artistas contam-se a apropriação desassombrada, a ligação a universos marginais à arte (e a figuras de facto marginais, nas franjas da sociedade), o recurso à violência e ao acidente, a reivindicação do amadorismo, do anti virtuosismo.

Esta exposição é organizada pelo Museu de Arte Contemporânea de Serralves e comissariada por João Ribas, diretor do Museu, e Ricardo Nicolau, adjunto do diretor do Museu e curador.