Pesquise
Seleccione os critérios de pesquisa
Seleccione os Filtros
Agenda
WORK IN PROGRESS
Exposição
DATA
HORARIO
LOCAL
01 a 03 Jun 2018
18:00 - 22:00
Museu de Serralves
A exposição "Work in Progress” encerra a 3 de junho, pelo que os visitantes do Serralves em Festa terão a última oportunidade para a visitar.

"Work in Progress” nasceu no contexto do projeto Arquitetura 3.0 – Promoção de Novos Modelos de Internacionalização, onde a Fundação de Serralves identificou a necessidade de promover o desenvolvimento de soluções arquitetónicas que contribuam para suprir as lacunas que se verificam ao nível da ausência de espaços expositivos em diversos territórios ou que se assumam como um adequado complemento, ainda que de carácter temporário, aos existentes.

Deste modo, a Fundação promoveu o concurso de conceção para um pavilhão expositivo e os dez trabalhos melhor classificados são apresentados nesta exposição, promovendo o debate em torno de soluções inovadoras.
A CARNATIC PARADIGM / THE ALGEBRA OF LISTENING
Música,Instalação
DATA
HORARIO
LOCAL
01 a 02 Jun 2018
20:00 - 04:00
Casa de Serralves
02 a 03 Jun 2018
10:00 - 04:00
Casa de Serralves
03 Jun 2018
10:00 - 22:00
Casa de Serralves
Mark Fell
Em permanência. Acesso condicionado durante as performances incluídas no projeto.
APOIOS: DGARTES e TRICANA

Mark Fell é um artista multidisciplinar amplamente conhecido por relacionar a música eletrónica com linguagens informáticas, dando ênfase a algoritmos e sistemas matemáticos. Depois de ser apresentado em 2016 a um grupo de artistas indianos que se dedicam à música carnática, foi convidado a criar uma nova peça que explorasse os sistemas complexos presentes nesse estilo musical, ou seja, as formas como esses sistemas interagem com práticas criativas e vocabulários musicais, relacionando-as com as suas próprias metodologias musicais e escrita crítica sobre a tecnologia.

Com músicos de grande relevância e artistas de várias regiões, o projeto explora a relação entre a música carnática e as artes sonoras emergentes e como elas funcionam na cultura contemporânea britânica e indiana. O projeto estreou-se publicamente em 2017 no Centre For Contemporary Arts, em Glasgow, no âmbito do festival Counterflows, tendo estado em transformação e desenvolvimento desde então. Ele passa agora pela Casa de Serralves numa residência de três dias apresentando novas obras e colaborações entre artistas indianos e europeus. Incluem-se: uma instalação sonora de Mark Fell, a mais recente de uma série de colaborações entre Rian Treanor e Nakul Krishnamurthy que abordam a interação entre formas musicais tradicionais indianas e música eletrónica; o trabalho centrado no som e na vibração de Farah Mulla, com uma peça hipnótica com luz e padrões que transformam os interiores déco da Casa de Serralves; solos de violino virtuosos de Nandini Muthuswamy, considerada uma das mais importantes violinistas da tradição carnática; e também longos trabalhos meditativos de Mark Fell e Sandro Mussida, aos quais se juntam o Drumming - Grupo de Percussão e Olívia Salvadori. 

Imagem (c) Connie Treanor
VISITA AO ANOITECER
Visita Orientada
DATA
HORARIO
LOCAL
01 Jun 2018
20:00 - 22:00
Parque de Serralves
Ponto de encontro: Entrada
Orientação: André Rodrigues e Marco Ramos
Lotação: 60 pessoas

Marcando o início do Serralves em Festa, e em pleno lusco-fusco, esta visita parte à descoberta do Parque de Serralves. Património classificado, este jardim histórico proporciona diversos cenários inspiradores de tranquilidade e despoleta conhecimento e histórias que ficarão na memória dos visitantes.
LIGNES OUVERTES
Funambulismo
DATA
HORARIO
LOCAL
01 Jun 2018
20:00 - 20:25
Parterre Central
02 Jun 2018
20:00 - 20:25
Parterre Central
Cie Basinga
Funambulista: Tatiana-Mosio Bongonga
Música: Osso Vaidoso (voz Ana Deus e guitarra Alexandre Soares)
Coreografia: Anna Rodriguez 
Figurinos: Solenne Capmas 
Técnica: Jan Naets, Gael Honneger, Simon Pourque
Produção: Alice Lamy, Camille Foucher

A Fundação Serralves propôs à Companhia Basinga e a Tatiana-Mosio Bongonga, uma das raras funambulistas femininas no mundo, para realizar uma "travessia” excecional. Esta travessia inédita, realizada no Parterre central do Parque de Serralves, será acompanhada pelo duo Osso Vaidoso e também por um coletivo de voluntários que irá manter, no solo, as suas passagens ao longo do percurso. Avançar, ultrapassar obstáculos, aceitá-los, trazê-los para si mesma e seguir em frente será o desafio da funambulista. 
Lignes Ouvertes é uma aventura aérea, ancorada no solo e dançada nos céus! 

No seio do seu coletivo, Tatiana-Mosio Bongonga cria e implementa de forma ambiciosa grandes travessias funambulistas. Equilibro em grande escala, apresentado in-situ e acompanhado por músicos ao vivo, Lignes Ouvertes relaciona-se estreitamente com os lugares onde as travessias ocorrem. Música, coreografia e cenografia entram em ressonância com cada espaço gerando um encontro disciplinar triangular que progride e amplia artisticamente cada nova "travessia”.

Basinga
Basinga é uma companhia centrada na investigação e criação da arte do funambulismo. Através da pesquisa, ensino, partilha e produção de propostas artísticas participativas, de exigente desempenho, a companhia desenvolve, transmite e divulga esta arte alicerçando-a nas colaborações artísticas que promove.

Osso Vaidoso
Ana Deus e Alexandre Soares
Ana Deus e Alexandre Soares começaram a sua parceria musical nos Três Tristes Tigres, uma das bandas portuguesas de referência na década de noventa do século XX, com uma versão do Anjinho da Guarda de António Variações para o disco "As Canções de António”, editado em 1994. Seguiram-se-lhe os álbuns, "Guia Espiritual”, considerado disco do ano em 1996 pelo jornal Blitz, "Comum” de 1998 e "Visita de Estudo” em 2001.
Alguns anos depois voltam a colaborar sob o nome Osso Vaidoso, projeto que começou por ser um duo de forte componente poética e crueza instrumental, tendo editado "Animal” em 2011 e mais recentemente o álbum "Miopia” de 2016. No seu repertório estão incluídos os poetas Natália Correia, Alberto Pimenta, Ernesto Melo e Castro, Gastão Cruz, Sá de Miranda, Nicolau Tolentino e Regina Guimarães.

Imagem (c) Marion Ribbon

EXIT
Circo Contemporâneo
DATA
HORARIO
LOCAL
01 Jun 2018
21:00 - 21:45
Prado
02 Jun 2018
21:00 - 21:45
Prado
Companhia de Circo INEXTREMISTE
Diretor artístico: Yann Ecauvre
Figurinista: Solenne Capmas
Diretor Técnico: Bastien Roussel
Luz e efeitos: Jacques Bouault and Jacques-Benoît Dardant
Design do balão de ar quente: Bérengère Giaux

As acrobacias excêntricas de EXIT da Companhia de Circo INEXTREMISTE têm lugar no cesto de um balão de ar quente de 3.400m3 em voo cativo, metamorfoseando o equilíbrio do céu, com uma série de imagens impressionantes e acrobacias de tirar o fôlego. Clownesca, surpreendente, corrosiva, dramática e louca, a companhia de acrobatas de risco de Yann Ecauvre continua a brincar com os medos do espetador e a virá-los do avesso nas suas propostas.

Em EXIT, a mais recente criação acrobática da Companhia INEXTREMISTE, Yann Ecauvre leva ainda mais longe o conceito de "risco real" no seu trabalho circence. 
Desta vez, é através do cesto de um balão de ar quente que os clowns e acrobatas do Circo INEXTREMISTE preenchem o céu de Serralves. Um "domador” de balões, músicos e personagens inesperados vão surgindo para interromper a performance e suscitar dúvidas sobre a bela mecânica. Ao longo desta construção artística, EXIT usa-se do cesto da aeronave para apresentar equilíbrios completamente inéditos e acrobacias audaciosas, dentro e fora do cesto, vários metros acima do solo.

EXIT é uma performance singular e cheia de alegria, rocambolesca e divertida, que questiona as leis da gravidade e os limites da arte do circo.

A Companhia foi criada em 1998, inicialmente com o nome de "As Pa de Maïoun”, cruzando dança, música e artes de rua. É a peça "Inextremiste" criada em 2007 por Yann Ecauvre, em torno de um trampolim e de cilindros de gás, que dá o nome Inextremiste à companhia em 2010. « Extrêmités » é apresentado em 2012 e « Extension » nasce em 2014. Entre 2015 e 2017, a equipa artística é ampliada para a criação de duas novas peças: um baile espetacular "Extreme Night Fever" e o espetáculo de rua EXIT, de grande escala, realizado num balão de ar quente. 

A Companhia está atualmente a criar o espectáculo participativo "Damoclès”. Dirigida por Yann Ecauvre, a Companhia Inextremiste apresenta-se em vários Festivais desde 2007. Perigos e riscos reais e humor mordaz são os fundamentos desta companhia, sediada em Indre, no centro de França. 

Imagem (c) Laetitia Baranger