Pesquise
Seleccione os critérios de pesquisa
Seleccione os Filtros
Agenda
SUR LE FIL
Dança Contemporânea,Atividade com Acesso Privilegiado - AMIGOS
DATA
HORARIO
LOCAL
01 Jun 2018
22:00 - 22:45
Auditório
02 Jun 2018
21:00 - 21:45
Auditório
03 Jun 2018
21:00 - 21:45
Auditório
Companhia Nacera Belaza
Coreografia, luz e som: Nacera Belaza;
Performers: Nacera Belaza, Dalila Belaza, Aurélie Berland e Anne-Sophie Lancelin
Coprodução: Festival Montpellier Danse, La Villette Paris – résidences d’artiste 2015, Centre Chorégraphique National de Tours / Direction Thomas Lebrun, Le Centre National de la Danse – Pantin, Moussem, Collectif 12, Mantes la Jolie, Bozar – Palais des Beaux-Arts de Bruxelles, Künstlerhaus Mousonturm de Francfort

Persistindo numa lógica pessoal de introspeção, Nacera Beleza partilha em Sur le Fil experiências de transcendência com três outras performers e o público. Sur le Fil é uma dança meditativa que procura levar o corpo a extremos para ultrapassar a convencional experiência ao vivo e apresentar outras formas de criar.

Mais do que um espetáculo, Sur le Fil é um ritual, uma experiência hipnótica, um exercício espiritual. As performers estão sob uma espécie de transe. Os seus corpos, sem qualquer ação voluntária, são como turbilhões que aparecem e desaparecem, traços vibrantes que testemunham a acuidade das suas presenças perante aquilo que se desvanece no desafio do vazio. O palco é mergulhado nas sombras.

Através da música repetitiva, as performers surgem e partem - não a solo - mas em sequências, onde a performer seguinte acrescenta sempre algo à anterior.

A coreografia, composta principalmente por voltas corporais a alta velocidade, origina um espetáculo hipnotizante e sobretudo reflexivo.

Nascida na Argélia, Nacera Belaza vive em França desde os cinco anos de idade, embora a sua carreira se situe entre estes dois países. Depois de estudar línguas modernas na Universidade de Reims, Belaza criou sua própria companhia em 1989. Foi distinguida como Chevalier des Arts et des Lettres pelo Ministério da Cultura em Janeiro 2015.

Nacera Belaza desenvolve para além das suas coreografias ações artísticas e criações de várias formas, desde masterclasses a performances in-situ.

Apoios:
     


CERIMÓNIA BWABA – MÁSCARAS DA LUA DO BURKINA FASO
Performance,Música
DATA
HORARIO
LOCAL
01 Jun 2018
23:00 - 23:45
Frente da Casa de Serralves
CERIMÓNIA BWABA – MÁSCARAS DA LUA DO BURKINA FASO
Parceiro: Evora Africa
Frente da Casa de Serralves f2

As máscaras brancas sumbo poa, também chamadas de "máscaras de pano”, pertencem aos griots da vila de Bereba: a família Bihoun. Mestres da palavra, guardiões fiéis da tradição oral, conservadores incontestáveis de costumes ancestrais, músicos para todas as ocasiões da vida social, os griots são os responsáveis pela música da comunidade bwaba. A arte da palavra é um legado transmitido de pais para filhos e até de geração em geração.

As suas danças enérgicas e acrobáticas são acompanhadas pelo xilofone tiohoun, tambores e um coro de mulheres.

Durante os rituais, o aparecimento das máscaras provoca alegria e desencadeia comportamentos excessivos a nível corporal (danças anárquicas e movimentos descoordenados) e de afetos (com entusiasmo e sobreexcitação) que marcam a celebração do regresso de Do à terra.

O músico do tambor kerê’nko dirige todas as operações, obedecendo aos dedos e aos olhos. Os chocalhos tocam uma harmonia surpreendente. O tom da sua ressonância, que pode ser baixo, médio ou muito forte, acompanha as flutuações da intensidade das vibrações.

As cerimónias de máscaras bwaba são exemplos exuberantes das tradições africanas onde o papel da percussão assume um lugar central. A diáspora da influência da percussão tradicional africana na cultura contemporânea estende-se do minimalismo norte-americano, ao jazz, ao krautrock, entre variadíssimos outros movimentos.

Num Parque de Serralves debaixo de uma lua praticamente cheia, esta cerimónia Bwaba vem também celebrar o luar da festa.

Imagem (c) Anne-Laure Bourget

RICHARD EIGNER
Música
DATA
HORARIO
LOCAL
01 Jun 2018
23:00 - 23:45
Museu (Sala de Madeira)
RICHARD EIGNER
Parceiro: Crónica

Integrado no programa que celebra 15 anos da editora Crónica, Richard Eigner, compositor e artista sonoro austríaco, apresenta a sua exploração da simbiose entre os domínios da música acústica experimental, minimalismo e eletrónica.


23 SKIDOO
Música
DATA
HORARIO
LOCAL
02 Jun 2018
00:00 - 01:00
Prado
Em 1978, o norte de Londres viu nascer a banda 23 Skidoo, formada por três estudantes movidos pela paixão pelo punk. A ideia para o nome escolhido surgiu no contacto com o termo na obra literária de Aleister Crowley e William S. Borroughs que, por sua vez, o foram buscar à gíria norte-americana dos anos 1920, altura em que este traduzia a ideia de uma saída rápida de um lugar, oportuna ou forçada.

Da formação original, mantém-se Fritz Catlin, na bateria, e o núcleo duro dos irmãos Turnbull (Alex e Johnny), filhos do importante escultor modernista britânico William Turnbull e dedicados praticantes de artes marciais desde tenra idade. 

Dos variados interesses do grupo, destacam-se os sons dos tambores do Burundi e do Kodo japonês, o músico nigeriano Fela Kuti, a banda americana The Last Poets, o escritor William S. Borroughs e a confluência entre a música industrial, pós-punk e funk que marcou um momento particularmente importante da música britânica e internacional do qual os 23 Skidoo foram protagonistas ao lado dos The Pop Group, A Certain Ratio ou Cabaret Voltaire, entre outros. 

Este concerto representa um esperado regresso dos 23 Skidoo que prometem trazer o inesperado a esta edição do Serralves Em Festa, bem recheado de peso e percussão.


SANDRO MUSSIDA (com RIAN TREANOR e DRUMMING - GRUPO DE PERCUSSÃO )
Música
DATA
HORARIO
LOCAL
02 Jun 2018
00:00 - 03:20
Casa de Serralves
Concerto integrado no projeto A CARNATIC PARADIGM / THE ALGEBRA OF LISTENING de MARK FELL 

Compositor italiano sediado em Londres, Sandro Mussida é também violoncelista trabalhando igualmente com eletrónica. O seu trabalho investiga a interação  entre os campos acústico/clássico, elétrico e eletrónico, escrevendo para orquestra, ensembles de música de câmara e instrumentos solo. Mussida colaborou com Mark Fell em diversas ocasiões, nomeadamente no 7’’ "Object Relations #1”. No contexto da apresentação de "A Carnatic Paradigm / The Algebra of Listening” na Casa de Serralves, ele lidera a direção de uma performance de longa duração ao longo de quatro horas com a colaboração do Drumming-Grupo de Percussão e Rian Treanor na síntese eletrónica.