Pesquise
Seleccione os critérios de pesquisa
Seleccione os Filtros
Agenda
A COLEÇÃO SONNABEND : MEIO SÉCULO DE ARTE EUROPEIA E AMERICANA . PART II
Exposição
DATA
HORARIO
LOCAL
01 a 03 Jun 2018
18:00 - 22:00
Museu de Serralves
Na sequência da apresentação em 2016 de "A Coleção Sonnabend. Meio Século de Arte Europeia e Americana. Part I”, o Museu de Serralves apresenta agora "A Coleção Sonnabend: Meio Século de Arte Europeia e Americana. Part II”, uma grande exposição dedicada à Coleção Sonnabend.

Criada pela influente galerista Ileana Sonnabend, a Coleção Sonnabend é considerada uma das mais importantes coleções de arte americana e europeia da segunda metade do século XX, e representa alguns dos movimentos fundamentais da arte ocidental dos nossos dias. Embora conhecida sobretudo pelo seu apoio aos protagonistas da arte pop, do minimalismo, da arte povera, do pós-minimalismo e da arte conceptual, Ileana Sonnabend deu continuidade ao seu compromisso até à sua morte em 2007. 

A Parte II aborda dois temas presentes na Coleção Sonnabend: o uso da fotografia, desde a Arte Conceptual dos anos 1960 até ao presente; e o trabalho de artistas dos anos 1980 relacionados com a Pop Art, o minimalismo e a arte conceptual. Uma apresentação de esculturas de Jeff Koons produzidas entre 1985 e 2012 constituirá uma pequena retrospetiva do icónico artista norte-americano. 

Comissariada por António Homem, a exposição em Serralves é organizada com a colaboração da Fondazione Musei Civici Venezia (MUVE), Ca’ Pesaro, em Veneza, e da Sonnabend Collection Foundation. 

Numa altura em que o Museu de Serralves dedica uma atenção cada vez maior à sua coleção de arte portuguesa e internacional, a Coleção Sonnabend assume uma relevância particular. Obras dessa coleção fizeram parte da exposição inaugural do Museu, "Circa 1968”, em 1999, e várias delas permaneceram em Serralves a título de empréstimo de longo prazo.

VISITA AO ANOITECER
Visita Orientada
DATA
HORARIO
LOCAL
01 Jun 2018
20:00 - 22:00
Parque de Serralves
Ponto de encontro: Entrada
Orientação: André Rodrigues e Marco Ramos
Lotação: 60 pessoas

Marcando o início do Serralves em Festa, e em pleno lusco-fusco, esta visita parte à descoberta do Parque de Serralves. Património classificado, este jardim histórico proporciona diversos cenários inspiradores de tranquilidade e despoleta conhecimento e histórias que ficarão na memória dos visitantes.
LIGNES OUVERTES
Funambulismo
DATA
HORARIO
LOCAL
01 Jun 2018
20:00 - 20:25
Parterre Central
02 Jun 2018
20:00 - 20:25
Parterre Central
Cie Basinga
Funambulista: Tatiana-Mosio Bongonga
Música: Osso Vaidoso (voz Ana Deus e guitarra Alexandre Soares)
Coreografia: Anna Rodriguez 
Figurinos: Solenne Capmas 
Técnica: Jan Naets, Gael Honneger, Simon Pourque
Produção: Alice Lamy, Camille Foucher

A Fundação Serralves propôs à Companhia Basinga e a Tatiana-Mosio Bongonga, uma das raras funambulistas femininas no mundo, para realizar uma "travessia” excecional. Esta travessia inédita, realizada no Parterre central do Parque de Serralves, será acompanhada pelo duo Osso Vaidoso e também por um coletivo de voluntários que irá manter, no solo, as suas passagens ao longo do percurso. Avançar, ultrapassar obstáculos, aceitá-los, trazê-los para si mesma e seguir em frente será o desafio da funambulista. 
Lignes Ouvertes é uma aventura aérea, ancorada no solo e dançada nos céus! 

No seio do seu coletivo, Tatiana-Mosio Bongonga cria e implementa de forma ambiciosa grandes travessias funambulistas. Equilibro em grande escala, apresentado in-situ e acompanhado por músicos ao vivo, Lignes Ouvertes relaciona-se estreitamente com os lugares onde as travessias ocorrem. Música, coreografia e cenografia entram em ressonância com cada espaço gerando um encontro disciplinar triangular que progride e amplia artisticamente cada nova "travessia”.

Basinga
Basinga é uma companhia centrada na investigação e criação da arte do funambulismo. Através da pesquisa, ensino, partilha e produção de propostas artísticas participativas, de exigente desempenho, a companhia desenvolve, transmite e divulga esta arte alicerçando-a nas colaborações artísticas que promove.

Osso Vaidoso
Ana Deus e Alexandre Soares
Ana Deus e Alexandre Soares começaram a sua parceria musical nos Três Tristes Tigres, uma das bandas portuguesas de referência na década de noventa do século XX, com uma versão do Anjinho da Guarda de António Variações para o disco "As Canções de António”, editado em 1994. Seguiram-se-lhe os álbuns, "Guia Espiritual”, considerado disco do ano em 1996 pelo jornal Blitz, "Comum” de 1998 e "Visita de Estudo” em 2001.
Alguns anos depois voltam a colaborar sob o nome Osso Vaidoso, projeto que começou por ser um duo de forte componente poética e crueza instrumental, tendo editado "Animal” em 2011 e mais recentemente o álbum "Miopia” de 2016. No seu repertório estão incluídos os poetas Natália Correia, Alberto Pimenta, Ernesto Melo e Castro, Gastão Cruz, Sá de Miranda, Nicolau Tolentino e Regina Guimarães.

Imagem (c) Marion Ribbon

A CARNATIC PARADIGM / THE ALGEBRA OF LISTENING
Música,Instalação
DATA
HORARIO
LOCAL
01 a 02 Jun 2018
20:00 - 04:00
Casa de Serralves
02 a 03 Jun 2018
10:00 - 04:00
Casa de Serralves
03 Jun 2018
10:00 - 22:00
Casa de Serralves
Mark Fell
Em permanência. Acesso condicionado durante as performances incluídas no projeto.
APOIOS: DGARTES e TRICANA

Mark Fell é um artista multidisciplinar amplamente conhecido por relacionar a música eletrónica com linguagens informáticas, dando ênfase a algoritmos e sistemas matemáticos. Depois de ser apresentado em 2016 a um grupo de artistas indianos que se dedicam à música carnática, foi convidado a criar uma nova peça que explorasse os sistemas complexos presentes nesse estilo musical, ou seja, as formas como esses sistemas interagem com práticas criativas e vocabulários musicais, relacionando-as com as suas próprias metodologias musicais e escrita crítica sobre a tecnologia.

Com músicos de grande relevância e artistas de várias regiões, o projeto explora a relação entre a música carnática e as artes sonoras emergentes e como elas funcionam na cultura contemporânea britânica e indiana. O projeto estreou-se publicamente em 2017 no Centre For Contemporary Arts, em Glasgow, no âmbito do festival Counterflows, tendo estado em transformação e desenvolvimento desde então. Ele passa agora pela Casa de Serralves numa residência de três dias apresentando novas obras e colaborações entre artistas indianos e europeus. Incluem-se: uma instalação sonora de Mark Fell, a mais recente de uma série de colaborações entre Rian Treanor e Nakul Krishnamurthy que abordam a interação entre formas musicais tradicionais indianas e música eletrónica; o trabalho centrado no som e na vibração de Farah Mulla, com uma peça hipnótica com luz e padrões que transformam os interiores déco da Casa de Serralves; solos de violino virtuosos de Nandini Muthuswamy, considerada uma das mais importantes violinistas da tradição carnática; e também longos trabalhos meditativos de Mark Fell e Sandro Mussida, aos quais se juntam o Drumming - Grupo de Percussão e Olívia Salvadori. 

Imagem (c) Connie Treanor
NANDINI MUTHUSWAMY
Música
DATA
HORARIO
LOCAL
01 Jun 2018
21:00 - 21:40
Casa de Serralves
02 Jun 2018
15:00 - 15:40
Casa de Serralves
03 Jun 2018
13:00 - 13:40
Casa de Serralves
Concerto integrado no projeto A CARNATIC PARADIGM / THE ALGEBRA OF LISTENING de MARK FELL 

A excecional violinista Nandini Muthuswamy cresceu numa ilustre família de músicos indianos, tendo cedo sido aclamada como um prodígio e iniciado a sua carreira, após uma formação inicial em Música Clássica do Sul da Índia.

Juntamente com sua irmã Dr. M. Lalitha, faz parte do duo The Violin Sisters, conhecido por encantar audiências em todo o mundo com as suas melodias.

Com uma carreira que se estende por mais de duas décadas, Nandini é aplaudida, para além do seu virtuosismo, pelo seu estilo original e imaginativo de tocar violino. A contribuição de Nandini para o mundo da música já lhe valeu vários prémios, elogios e títulos. Foi premiada com o título de "Kalaimamani” - a maior honra do Governo do Estado de Tamil Nadu, na Índia, em reconhecimento dos seus serviços pela causa da música, tonando-se a mais jovem violinista feminina a ser homenageada com este título.